Principal

SBACV lança normas para tratamentos de doenças vasculares

Entidade apresenta no dia 11/10 Diretrizes sobre o uso da meia elástica compressiva e sobre a indicação cirúrgica de varizes no 39º Congresso Brasileiro de Angiologia e de Cirurgia Vascular.

Qual o melhor tipo de meia elástica para suavizar o cansaço nas pernas devido às varizes? Qual o melhor tratamento cirúrgico de varizes? Essas são algumas das questões respondidas pelas duas Diretrizes que a Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV) lança nesta terça-feira, dia 11 de outubro, durante o 39º Congresso Brasileiro de Angiologia e de Cirurgia Vascular, em São Paulo. O objetivo dos trabalhos é normatizar as condutas médicas, baseando-as em estudos científicos randomizados, o que vai uniformizar as práticas em saúde e garantir um melhor respaldo ao médico e uma maior segurança ao paciente. Foram dois anos de estudo com o auxílio de 142 especialistas.

“As diretrizes de utilização – definidas a partir das melhores pesquisas científicas disponíveis, acerca da eficácia e efetividade de intervenções – contribuem para a melhoria da qualidade da assistência e são um poderoso instrumento para a gestão e a regulação dos sistemas de saúde, visto que possuem grande potencial de uniformização das práticas em saúde; simplificação dos procedimentos de auditoria médica; fornecimento de parâmetros clínicos para o tratamento, reabilitação e diagnóstico das principais patologias que acometem os beneficiários e redução da ocorrência de eventos adversos, garantindo, assim, a segurança do paciente”, explica o coordenador nacional das Diretrizes na SBACV, o cirurgião vascular Aldemar Castro.

A diretriz de “Terapia de compressão elástica dos membros inferiores”, já aprovada na Associação Médica Brasileira (AMB), confirma o benefício do uso da meias compressivas no tratamento das varizes e institui as regras de como prescrevê-las com segurança. “Três questões são fundamentais na hora de se prescrever a meia elástica. É preciso saber qual a compressão exata de que o paciente necessita, ela varia de 10 mmHg a 60 mmHg, qual o melhor modelo (3/4, 7/8, meia tipo calça) e qual o tamanho da perna (P, M ou G)”, explica o cirurgião vascular e coordenador desta diretriz, Marcondes Figueiredo.

De acordo com Figueiredo, o uso da meia elástica é importante para evitar dores no fim do dia, mas a técnica não evita o aparecimento das varizes. “A meia simplesmente diminui a dor e o edema (inchaço) daquelas pessoas que têm insuficiência venosa ou linfática. A pessoa não terá menos varizes se usar a meia, mas sim ganhará qualidade de vida, pois não sentirá tanta dor ao final do dia”, explica. O médico alerta que comprar uma meia sem saber exatamente qual é a melhor no seu caso pode trazer problemas. “O que acontece muito e é errado, é pegar uma meia emprestada para usar. Cada pessoa terá a prescrição para uso de uma meia em específico. O que pode acontecer é você não se adaptar à meia da outra pessoa e achar que a meia é ruim de se usar”. 

A meia elástica compressiva ajuda no retorno do sangue ao coração. É altamente indicada para pessoas que têm varizes e ao final do dia ficam com dor e inchaço nas pernas. Em viagens longas é fundamental para proporcionar alívio.